Perguntas Frequentes

Encontre respostas para suas dúvidas

Tire Suas Dúvidas



A principal diferença está na tecnologia de fabricação das baterias. Apesar de serem compostas das mesmas matérias-primas, é na fase de fabricação dos elementos que compõe a bateria que elas se diferenciam.

AUTOMOTIVA

A bateria automotiva tem aplicação exclusiva em veículos com motores a combustão. Ela foi desenvolvida com tecnologia para fornecer alta descarga de energia em poucos segundos para fazer o motor de partida e todo o sistema elétrico do veículo funcionar. Para saber qual a capacidade de descarga elétrica da bateria no momento da partida, veja o número de CCA (corrente de partida a frio) apresentando no rótulo. O CCA indica a corrente máxima de energia que uma bateria fornece em 30 segundos a -18°C a uma tensão >/= 7,2V (norma internacional SAE J537).

ESTACIONÁRIA

Já a bateria estacionária, ao contrário da automotiva, não foi desenvolvida para suportar picos de fornecimento de energia. Sua tecnologia fornece baixa corrente elétrica por longo período de tempo, para manter um dispositivo funcionando. Exemplos de aplicações estacionárias: iluminação de emergência, sistemas no-break, telecomunicações, energia solar e eólica, PABX e outras.

Agora que você sabe a diferença indique a bateria correta para cada aplicação.


Não. A liga de prata é utilizada por muitos fabricantes, mas o que diferencia as baterias com liga de prata é a tecnologia com que as grades, componente onde se concentra a prata, são produzidas. Para a lista de prata proporcionar mais durabilidade e performance a bateria, fique ligado à tecnologia de fabricação.

Não. Isto é um grande mito, pois a performance de uma bateria está relacionada à tecnologia e qualidade da sua matéria prima. Uma bateria pode ser mais leve que outro de mesma amperagem e, ao mesmo tempo, ter mais capacidade de descarga de energia em função da sua qualidade de fabricação. Verifique sempre os valores de CCA para comparação (-18°C – Norma SAE J537).

Esse fenômeno é comum em baterias com manutenção, que não é o caso das baterias Heliar Free, pois após completar o nível do eletrólito ele pode escorrer ou ser derramado sobre a bateria e nestes casos ao colocá-la no chão pode ter fuga de corrente e descarregar mais rapidamente.

Não. As baterias não são blindadas, pois todas elas precisam de respiros para a saída de gases. As baterias podem ser com manutenção, ou seja, com acesso ao eletrólito e também podem ser seladas – livres de manutenção – o que significa não ter acesso ao eletrólito. Mas nunca blindadas.

Não. As baterias automotivas tipo chumbo-ácido possuem solução ácido sulfúrico e água na sua composição. Mesmo as baterias com tecnologia AGM, como a Heliar para motos e a Optima, embora possa parecer também, não são secas, pois o ácido está absorvido em seus separadores de lã de vidro.

  • -- Veículo sem partida pela manhã
  • -- Enfraquecimento dos fários
  • -- Desconfigurações dos componentes elétricos
  • -- Desligamento do som ao dar partida no veículo
  • -- Veículo gerando em excesso: Cheiro forte de ácido
  • -- Luz da bateria acesa constantemente no painel
  • -- Partida sem resposta do arranque
  • -- Miolo de partida: Estalo ao girar a chave
  • -- Queima constante de lâmpadas dos faróis
  • -- Queima constante de fusíveis
  • -- Anomalias no painel do veículo
  • -- Mal funcionamento da bomba de combustível
  • -- Veículo sem gerar: Descarregando constante a bateria do veículo